A hora de voltar à escola

Gestão Escolar

A hora de voltar à escola. Nada mais será como antes. Gestores e professores precisam pensar, desde já, como preparar o espaço físico para retomar as aulas presenciais com segurança

2020 vai entrar para a história da Educação como um ano de desafios. Depois do imenso esforço para se adaptar a um modelo de aulas remotas fortemente baseadas nas ferramentas digitais, os educadores e gestores agora concentram suas energias no planejamento de um novo “normal” no ambiente escolar para permitir o retorno às aulas presenciais com segurança e sem riscos de retomada da pandemia.

No Brasil, não é diferente.

Embora ainda não se tenha previsões confiáveis de quando isso vai acontecer, em algum momento as aulas presenciais serão retomadas. Os especialistas são unânimes em afirmar que os gestores precisam pensar em seus planos de segurança desde já, mesmo que as autoridades oficiais ainda não tenham traçado regras. Segundo eles, cada escola deve encontrar seu caminho. Quando as normas oficiais vierem, muitas coisas já terão sido planejadas e, o que for diferente, poderá ser adaptado.

Para ajudar nessa tarefa, o Educador360 começa, a partir de hoje, uma série trazendo tudo o que está sendo adotado por escolas nos países que começam a sair da pandemia e a retomar as aulas. Para iniciar a série, fomos descobrir como as escolas estão se adaptando na China, país onde a Covid-19 começou.

Na China, distanciamento e máscaras são obrigatórios

No sistema educacional chinês, todos os números são superlativos. Em todo o país, são 278 milhões de estudantes e 17 milhões de professores. O retorno às aulas presenciais começou a partir de maio, escalonado por fase de ensino, e com cada província trabalhando da sua maneira, em função da situação encontrada. Na imensa maioria do país, apenas os alunos dos ensinos Fundamental e Médio já retornaram. A Educação Infantil continua em isolamento e as Universidades começaram a voltar em junho.

Confira a seguir algumas medidas implementadas:

Esclarecimento dos alunos

Nos primeiros dias de retorno presencial, os professores explicaram aos alunos tudo sobre o vírus, suas formas de contágio, as medidas de segurança e a importância de respeitá-las.

Abraços estão proibidos

Os alunos não podem abraçar colegas no reencontro depois de 4 meses de isolamento. Nas salas de aulas onde isso era possível, as posições foram reformuladas para garantir a distância mínima entre os estudantes.

Máscaras são obrigatórias

 Todos os estudantes só podem circular nas dependências da escola com máscaras o tempo todo. A polícia faz barreiras na entrada com a finalidade de garantir o cumprimento da medida.

Barreira de verificação

Algumas províncias determinaram a implantação de tendas na entrada onde os alunos, antes de tudo, em grupos pequenos, são atendidos por funcionários treinados e paramentados com roupas, máscaras e telas faciais de segurança. Nessas barreiras, os alunos passam por desinfecção de roupas e calçados e têm a temperatura verificada antes de entrarem na escola.

Sensores de temperatura nos pulsos

Em Pequim, todos os estudantes foram obrigados a usar, dentro da escola, um sensor de pulso que mede a temperatura corporal constantemente e emite um alarme caso o aluno apresente febre, assim é possível identificar precocemente os sintomas. Em outras províncias, a medição de febre é feita pelo professor a cada 3 horas.

Sala de contenção

Em algumas províncias, as escolas criaram uma sala de contenção, para onde são enviados os alunos que apresentem febre acima de 37,50C, ou sintomas da Covid-19. Eles esperam lá, isolados dos demais. Se a febre não baixar, são encaminhados para atendimento no serviço de saúde, dessa forma conseguem contar o vírus com maior agilidade.

Desinfecção diária

Todos os ambientes da escola são desinfetados diariamente após o período das aulas. Além disso, quando chegam pela manhã, todas as crianças recebem álcool e pano para desinfetar suas carteiras e cadeiras antes de iniciar as aulas.

Aulas on-line

A educação continua sendo complementada por aulas e atividades remotas, mas o Ministério da Educação chinês está preocupado com os danos que as telas possam causar aos olhos dos estudantes e determinou que atividades digitais não devem exceder o total de 2h30 por dia, com limite máximo de 20 minutos contínuos por atividade.

Controle familiar

Além das medidas na escola, as famílias foram obrigadas pelas autoridades a preencher relatórios quinzenais onde reportam a situação de saúde dos adultos, ocorrência de febre ou sintomas de Covid-19, e viagens dos membros dentro do país ou ao exterior.

As medidas podem parecer bastante restritivas, mas até aqui têm dado bons resultados. No final de maio, em todo o país, apenas um caso de Covid-19 havia sido reportado entre alunos e professores. Outros 14 casos assintomáticos aguardavam confirmação de resultados.

246 Comentários. Deixe novo

  • Daniela Broio
    03/07/2020 16:33

    Momento preocupante, nossos recursos são poucos, não acho que podemos nos comparar com outros países, sendo que no Brasil, não o uso de máscaras acontece de forma correta

    Responder
    • Concordo plenamente com você!

      Responder
    • Karla Alves Barbosa
      20/08/2020 18:26

      A China tem uma realidade bem diferente da nossa, com uma organização social diferente, e um poder público também, então nossa realidade será bem diferente, havendo um retorno.

      Responder
    • Cristina Domingos Mendonça
      21/08/2020 17:23

      Muito difícil esse momento pensar em uma volta com protocolos diários que ñ se adequam a realidade do local em que trabalhamos complicado

      Responder
    • Silvia Helena Tavares Dorotheu
      31/08/2020 18:57

      Infelizmente não conseguimos controlar da maneira que deveríamos, alem de não contarmos com os mesmos recursos tem a cultura do brasileiro do contato físico.

      Responder
  • Maria José De Oliveira Vaz
    04/07/2020 00:00

    No Brasil tudo é mais difícil e preocupante, principalmente na Educação Infantil,

    Responder
    • As escolas necessitam urgentemente de manutenção física. Reformular os espaços para adaptação ao distanciamento. Testagem de toda a comunidade escolar e familiares. Usar EPIs, para conter o vírus e fazer a higienização dos espaços constantemente. É necessário estarmos atento com essa PANDEMIA, os hospitais e UBS devem estar em atendimento aos usuários da escola e unidade médica. Os órgãos públicos devem disponibilizar, atividades impressas, aparelhos digitais e sinal de internet compatível com os acessos para estudantes e professores. Todos devem perceber a gravidade e usar máscara, limpar as mãos, não entrar com a roupa que veio da rua dentro de casa.

      Responder
    • ERIKA IZABEL TIAGO DE VASCONCELOS
      21/08/2020 11:44

      Difícil comparar o retorno das aulas com países como a China ou da Europa. Aqui nossas escolas não tem nem torneiras e a limpeza é precária.

      Responder
      • Concordo com a maioria dos comentários, não da para comparar o Brasil com outros paises

        Responder
    • Sonia balduini
      21/08/2020 22:08

      Acho que no Brasil ainda não estamos preparados para o retorno às aulas as crianças ainda tem que se adaptarem ao uso da máscara por um tempo maior

      Responder
  • Maria Eleni Teles Silva
    06/07/2020 20:55

    Acredito que esse retorno deve acontecer com muita cautela, pois escola é ambiente de aglomeração, e isso se dá de forma inconsciente pelos pequenos, principalmente.

    Responder
  • Andrea Lúcia Figueiredo Oliveira
    14/07/2020 02:43

    No Brasil, é um grande desafio esse retorno. Falta recursos, grande número de alunos por sala…Na educação infantil não tem como não fazer o acolhimento com um gesto de carinho, sem contar que será uma nova adaptação.

    Responder
  • Estamos todos preocupados com o retorno, sem garantias que nao vamos nós contaminar. São muitas dúvidas e poucas respostas.

    Responder
  • Se compararmos o Brasil com outros países mais desenvolvidos, que têm mais condições de oferecer um retorno seguro para todos, ficamos preocupados pois não estamos preparados para oferecer as condições mínimas de higiene e limpeza. Tenhamos esperança de que tudo isso nos fortalecerá para a vida.

    Responder
  • BEATRIZ BASOTI
    19/08/2020 13:16

    Acho que o intuito aqui não é comparar os países, e sim conhecer, avaliar e refletir sobre as medidas tomadas na volta às aulas ao redor do mundo.
    A realidade de cada país é ímpar, e falando de Brasil, sabemos que tudo é lindo na teoria, mas na prática falta recursos e estrutura.

    Responder
  • Maria Encarnacion
    19/08/2020 13:39

    Estamos no Brasil, infelizmente o nosso povo ainda não é um povo de primeiro mundo. As desigualdades social é gritante. Por isso, acredito que aqui no Brasil ainda não é a hora de retornar para as aulas presenciais.

    Responder
  • Angélica Andrade
    19/08/2020 14:43

    Fico imaginando como será o retorno das crianças muito pequenas, quais serão os cuidados, se a todo momento estamos pegando no colo, ou para trocar, ou para dar comida ou até mesmo para confortá-los. Teremos suporte!!!??

    Responder
  • Aparecida
    19/08/2020 14:47

    Infelizmente, não teremos à disposição os recursos utilizados por eles.

    Responder
    • Rosangela Von Mühlen
      03/09/2020 00:40

      Pois é! Agora todos tem que ter a responsabilidade de orientar e agir de acordo com os protocolos.

      Responder
  • Mônica Reis
    19/08/2020 15:52

    Tenho muita preocupação com o retorno, especialmente com as crianças bem pequenas…

    Responder
  • Cristiane
    19/08/2020 15:53

    fico pensando se as escolas publicas no Brasil conseguirão atender todas as normas de segurança necessárias para este retorno. a maioria está sucateada, com poucos funcionários operacionais dentre outras mazelas.

    Responder
  • Katia Nunes Maciel
    19/08/2020 16:37

    Sem vacina, sem aula presencial!

    Responder
  • rosana martins aragão dutra
    19/08/2020 16:53

    No Brasil não temos condições de oferecer nem metade das condições mínimas de higiene adotadas nem outros países. Escolas caindo torneiras e sem pias e nem pessoal para limpeza. como garantir um retorno seguro?

    Responder
  • SONIA BIONI
    19/08/2020 17:18

    Infelizmente em nossas escolas, sabemos que alguns dos cuidados serão difíceis de seguir. As salas são cheias e falta professor e demais funcionários para apoiar na limpeza. Além do que, não consigo ver Educação Infantil sem contato. As crianças nos abraçam constantemente. Dizer a eles que não pode, será necessário, porém muito triste!

    Responder
  • Não é viável o retorno das aulas aqui no Brasil este ano, principalmente com a educação infantil.

    Responder
  • Maria Aparecida Ribeiro de Campos
    19/08/2020 17:29

    Excelentes as medidas adotadas na China. São bem restritivas, mas trazem segurança a todas as pessoas.
    Bom seria se o Brasil adotasse todas elas.

    Responder
  • Acho preocupante essa volta as aulas, não temos como oferecer segurança para as crianças e funcionários da escola. Precisamos pensar sobre esse retorno com muita cautela. Os recursos das prefeituras são poucos, não tem como garantir o mínimo de higiene e limpeza das escolas.
    A escola é um lugar de aglomeração, não tem como manter os alunos de infantil e fundamental I distantes uns dos outros.

    Responder
  • Tamr Orphali
    19/08/2020 17:59

    Todas as medidas são poucas perto de como e fácil a transmissão desse vírus sem remédio eficiente ou vacina sempre será um risco qualquer local com diversas pessoas.

    Responder
  • Um momento difícil e conflitante. A realidade brasileira das escolas públicas é de total abandono por meio dos governantes em todos os sentidos. Sabemos que é importante retomarmos o trabalho,porém é necessário condições adequadas. Será que as escolas públicas receberão todos os recursos necessários para a volta com segurança? Professores serão testados asssim como os jogadores de futebol? Vou parar com os questionamentos, pois são muitos. Precisamos repensar e avaliar.

    Responder
  • Suzana Julia da Silva
    19/08/2020 18:25

    A mídia acaba de publicar os testes realizados por amostragem em São Paulo confirmando que as crianças são assintomáticas e que a maioria das crianças vivem com idosos. Realmente não podemos comprometer vidas, por enquanto não há um modo seguro de retorno

    Responder
  • Eunice Souza Brandao
    19/08/2020 18:42

    O Brasil precisa esta bem preparado para o momento do retorno

    Responder
  • Mônica Cristina Monge
    19/08/2020 18:45

    Estamos muito preocupadas com o retorno se teremos condições de disponibilizar o minimo de segurança para os nossos alunos e familiares,

    Responder
  • Infelizmente nossa realidade não nos permite um retorno seguro. Sabemos que muitas famílias necessitam da escola para poderem trabalhar , com tudo o risco de contágio ainda é muito grande e não vale a pena colocar em risco tantas vidas.

    Responder
  • DORACI ALVES DE SOUZA
    19/08/2020 20:31

    Na minha opinião, aqui no Brasil é mais complicada a volta, principalmente na educação infantil, eles não tem maturidade para entender que não podem tocar, falar, ficar perto de seus amigos e principalmente seus professores que são suas referências dentro do ambiente escolar. Precisamos da vacina urgentemente para que todos possam ter uma educação de qualidade.

    Responder
  • Mônica Reis
    19/08/2020 20:36

    Após a imunização em massa, podemos pensar em um retorno mais seguro.

    Responder
  • Sem vacina os profissionais da educação estarão vulneráveis.

    Responder
  • Maria Cristina Ferreira Lana
    20/08/2020 10:48

    Infelizmente não vejo a possibilidade dos cuidados necessários para o retorno das creches, pois a possibilidade do distanciamento social é mais difícil, tanto para os profissionais quanto para as crianças.

    Responder
    • Viviane Meneguel Cardoso
      08/09/2020 22:00

      Nem nas creches e nem nas escolas de Ensino Fundamental. Dificilmente vamos conter os abraços e a as manifestações de carinho no retorno.

      Responder
  • Vera Lúcia Bergamelli Nemitz
    20/08/2020 11:38

    Deveriam voltar às aulas presenciais somente em 2021 não por causa das crianças e adolescentes porque são uma faixa etária com baixíssima letalidade, mas por causa dos avós idosos e dos pais hipertensos e diabéticos com quem convivem. Além disso, as aulas e provas podem ser ministradas pela internet e o poder público pode e deve disponibilizar sinal e materiais aos mais pobres para que todos tenham igual acesso à educação.

    Responder
  • Luciane Nunes de Lima
    20/08/2020 13:50

    Infelizmente o Brasil não possue uma infraestrutura que possa oferecer condições de higiene sanitária em todas cidades ! O retorno às aulas ainda é muito cheio de incertezas e medo . Fica muito mais difícil pensarmos em como faremos o retorno na Educação Infantil, como será este acolhimento sem abraço? Enfim é um momento muito delicado pelo qual estamos passando ! Tomara que tudo isso passe logo!

    Responder
  • Jane Cristina Alves de Moraes Lins
    20/08/2020 14:17

    Esse retorno deve ser muito bem planejado. Fico preocupada com a falta de recurso e funcionários. Conhecer como outros países estão se organizando é muito importante, mas devemos identificar muito bem nossa realidade e cultura.

    Responder
  • ADRIANA MOREIRA OLIVEIRA DIAS
    20/08/2020 14:39

    Realmente, no Brasil, as medidas serão as mesmas, mas trabalhar assim, com máscara e normas de higiene, sem abraços, será um desafio enorme, por causa de nossa cultura, é um momento de mudanças e disciplinas! Todo cuidado é pouco!

    Responder
  • Fernanda Santana de Oliveira
    20/08/2020 14:41

    Pensar no retorno neste momento ainda me traz muita ansiedade, pois sabemos das reais condições de higiene e limpeza em nossas escolas, da falta de recurso humanos e materiais essenciais. Como manter protocolos de distanciamento na Educação Infantil onde o cuidar e o educar caminham juntos?
    Só visualizo um retorno com segurança após a aplicação e comprovação de eficácia de uma vacina.

    Responder
  • Joice Barra
    20/08/2020 14:42

    Nossa realidade é bem diferente!

    Responder
  • ADRIANA MOREIRA OLIVEIRA DIAS
    20/08/2020 14:45

    Realmente, vendo os métodos adotados pela China, parece ser um método bom, mas a ansiedade será um fator determinante no nosso trabalho, mesmo com algumas aulas presenciais, o desafio será enorme, daí entra 2 qualidades que cada um precisará ter: fé e coragem!

    Responder
  • ELAINE CRISTINA FERNANDES MAGALHAES
    20/08/2020 14:53

    Nós do segmento creche nos perguntamos como será possível esse retorno, já que temos a necessidade de contato direto com as crianças , nas trocas de fraldas pegar no colo, auxiliar no horário de alimentação. Como será possível ?

    Responder
  • Eliana Ribeiro de assis
    20/08/2020 15:15

    O retorno as aulas na educação infantil no Brasil sera um grande desafio, como fazer crianças pequenas usar máscara o tempo todo e não ter contato físico, não trocar brinquedos entre outros. Vai ser muito comlicado portanto a volta deverá acontecer com todos procedimentos de segurança.

    Responder
  • ROSEMEIRE DE OLIVEIRA SOUZA
    20/08/2020 16:00

    Infelizmente,no Brasil não temos todos os recursos que estão sendo adotados na China desde o início dessa Pandemia,nos teremos uma grande batalha pela frente,pois muitas medidas de segurança não irão chegar em nossas escolas,a higienização com produtos de limpeza constante por exemplo,não é uma realidade para nós.

    Responder
  • Eliane Carvalho de Sousa
    20/08/2020 16:13

    Estamos vivendo um momento em que precisamos nus ajudar, não tá sendo fácil pra ninguém e se um ajudar o outro,se formos recíproco sairemos juntos dessa.

    Responder
  • Marisa Cardoso
    20/08/2020 17:24

    Se não tiver 100% de certeza da segurança acredito que a Educação Infantil não deva retorna, muitos são os problemas enfrentados na nossa rotina de sala de aula, sendo que muitas vezes nem sabão para lavar as mãos temos, como poderemos garantir a segurança de todos.

    Responder
  • Maria Aparecida Rodrigues Mendes
    20/08/2020 17:29

    Acredito que o retorno é inevitável, mesmo que seja para o ano de 2021. A vacina não é o fim da pandemia, mas o início de um processo de retomada com um pouco mais de segurança.

    Responder
  • Márcia Mônica do Carmo
    20/08/2020 17:30

    Apesar de saber que cada localidade enfrenta seus próprios desafios, é válido conhecer as experiências de outras localidades agindo sobre o mesmo fenômeno, podemos sempre aprender algo e olhar melhor nossa realidade.

    Responder
  • Aqui não funciona da mesma forma , o governo não fará esse investimento nas escolas . A educação infantil preocupa mais pois na há adaptação sem colo, sem contato físico .

    Responder
  • SANDRA ALVES COSTA DE SOUZA
    20/08/2020 18:07

    A preocupação é muito grande quanto a segurança de todos, como manteremos os protocolos com crianças tão pequenas, quanto ao distanciamento social, a higiene, a sanitizaçao dos ambientes, o monitoramento para assegurar que as ações sejam efetivas ao longo do tempo.

    Responder
  • No Brasil é mais complicado o retorno. Os gestores não investem na prevenção e em materiais essenciais.

    Responder
  • É uma situação infinitamente complexa.

    Responder
  • Elieci De Souza Lima
    20/08/2020 18:22

    Na educação; teremos que desconstruir tudo que ensinamos e acreditamos ..

    Responder
  • Elieci De Souza Lima
    20/08/2020 18:25

    A educaçào infantil e compartilhar interagir brincar.tudo através do afeto

    Responder
  • Ana Lúcia
    20/08/2020 18:27

    Cada cidade precisa rever os palnos para o retorno dos estudantes a escola presencial. Acredito que gestores devem pensar sim, conforme citado acima, em planos de segurança, levando em consideração em primeiro lugar as vidas envolvidas.

    Responder
  • Claudia Barros
    20/08/2020 18:42

    A nossa realidade é preocupante, a escassez de produtos de higiene, produtos de limpeza, e da frente de trabalho dificultará todos os cuidados necessários. O cuidado na educação i fabril ser a o mais difícil por conta do contato dos pequenos. Bons artigos para nos prepararmos baseados nas experiências de outros países.

    Responder
  • Dárcia Cristina Ribeiro
    20/08/2020 18:52

    É um momento muito delicado, onde tudo deve ser avaliado com bastante cautela, para que não ocorram ainda mais mortes.

    Responder
  • ROSE CRISTINA OLIVEIRA
    20/08/2020 19:05

    No Brasil, acredito ser muito difícil o retorno sem contaminação, pois não temos apoio dos governantes nem colaboração da maioria dos pais.

    Responder
  • Fernanda Ferreira
    20/08/2020 19:10

    No Brasil infelizmente não temos condições para retorno, somente depois da vacina. Acredito muito que a vacina logo sairá e poderemos

    Responder
  • Juliana Fabien Vieira Telles Rudge
    20/08/2020 21:09

    Muito prudente começarem pelos maiores, com maiores condições de compreender a importância dos cuidados com a higiene e distanciamento social. Contudo, pensando em nossas condições reais de trabalho, quando muitas vezes falta o básico no que diz respeito aos EPI’S e materiais de limpeza, acredito que o retorno seguro ainda é uma realidade distante.

    Responder
  • Maria José Piva Junqueira
    20/08/2020 21:28

    Os protocolos de segurança devem ser bem rígidos para esse retorno, porém, com os índices que nosso país vem apresentando penso ser complicado esse retorno.

    Responder
  • Sônia Maria Lopes
    20/08/2020 21:29

    Com certeza as aulas principalmente na educação infantil não podem ser retomadas antes da vacinação das crianças.

    Responder
  • Carline Juliane Silva
    20/08/2020 22:01

    Acredito que estamos bem longe da realidade chinesa,não só pelo número de habitantes,mas pelo aparato de toda a tecnologia ali existente no combate ao covid. Entretanto,temos referências para elaborar os protocolos.

    Responder
  • Hilda matos
    20/08/2020 23:18

    Realmente muitas coisas que vemos ser adotadas lá fora sabemos que não vai ser possível aqui no Brasil.

    Responder
  • Como tudo ainda é distante, gera uma ansiedade, mas é preciso pensar e discutir o assunto para quando o retorno acontecer ele se de da melhor maneira.

    Responder
  • Lizete Baldi
    21/08/2020 02:14

    Medidas de prevenção importantíssimas, porém estamos muito aquém do desenvolvimento chinês.

    Responder
  • Jacqueline anibal
    21/08/2020 02:28

    É tudo muito incerto

    Responder
  • Jacqueline anibal
    21/08/2020 02:31

    As decisões devem ser cautelosas, pois estamos vivendo uma pandemia.

    Responder
  • Rosemaire
    21/08/2020 03:05

    Achei bem interessante todas as informações de como está se dando o retorno das aulas presenciais em outros países após a pandemia. Muitos cuidados e precauções, porém sabemos das dificuldades que temos nas nossas escolas aqui no Brasil, mesmo antes da pandemia já não tinhamos recursos para manter a nossa escola higienizada, como de fato precisa ser, faltam recursos e essa volta tem que ser muito bem pensada para garantir segurança a todos.

    Responder
  • Rosangela Gomes de Souza
    21/08/2020 03:32

    Penso que o retorno só poderá se dá em uma situação de muita segurança para todos os envolvidos. Temos de considerar, que nas escolas há um grande número de pessoas que por problemas de saúde anteriores, compõem o grupo de risco.

    Responder
  • ERIKA IZABEL TIAGO DE VASCONCELOS
    21/08/2020 11:44

    Difícil comparar o retorno das aulas com países como a China ou da Europa. Aqui nossas escolas não tem nem torneiras e a limpeza é precária.

    Responder
  • O Brasil nãao pode ser comparado a outros com desenvolvimento maior, pois alem de ser um país pobre economicamente, a nossa pobreza principal é de atitudes governamentais, a intensidade da pandemia no brasil é devido a falta de atitude correta, então a volta as aulas presenciais causa PANICO.

    Responder
  • Andressa Cristina Coutinho Barboza
    21/08/2020 12:03

    Acredito que a administração da vacina nos alunos, professores, funcionários e gestão seja fundamental antes do retorno às aulas.

    Responder
  • No Brasil infelizmente falta muita estrutura para o retorno das aulas presenciais. Antes da pandemia as escolas já estavam sucateadas. Voltaremos com as mesmas no mesmo estágio e sem segurança para a comunidade docente.

    Responder
  • Infelizmente no Brasil falta muita estrutura para o retorno das aulas presenciais. Antes da pandemia as escolas já estavam sucateadas. Voltaremos com as mesmas no mesmo estágio e sem segurança para a comunidade docente.

    Responder
  • jose rosangelo torres da silva
    21/08/2020 12:49

    Durante a pandemia a desigualdade social do povo brasileiro ficou evidente , na escola a desigualdade não seria diferente, parte da desta tragedia se deve a anos de descaso com a educação, a função do professor mesmo que velada ainda é vista como sacerdócio, com a volta as aulas muitas das adaptações ficarão a cargo dos professores e seus recursos, não acredito que as mantenedoras conseguiram recursos e estrategias suficientes para garantir a segurança de todos os alunos.

    Responder
  • Realmente comparar não é a questão mas fica claro que a nossa realidade destoa de forma gritante de uma cultura que é baseada em respeito, cuidado e valores sociais , humanos e em investimento em educação.

    Responder
  • Viviane Ribeiro dos Santos Godoi
    21/08/2020 14:52

    Na educação infantil há necessidade de interação para desenvolvimento e aprendizado, portanto nenhuma dessas medidas auxiliarão no objetivo desta fase. Neste momento a única interação possível é através das plataformas digitais, as restrições só prejudicarão mais ainda o bem estar dos pequenos.

    Responder
  • Thais de Souza Santos
    21/08/2020 15:42

    O retorno as aulas sem uma vacina, do meu ponto de vista, ainda é muito arriscado e exige muita atenção por parte das autoridades, famílias, professores, comunidade em geral. Com relação a China, diferente do Brasil, lá eles possuem outro tipo de cultura com relação a educação escolar, aqui os pais mal vão as reuniões que acontecem 4 vezes ao ano, imagina relatório quinzenal?! Aliás, ainda não me sinto segura para voltar. Torço para que isso passe o mais rápido possível.

    Responder
  • É uma situação muito preocupante e que merece e precisa de conversas entre a saúde e à educação, no intuito de fazer com que esse retorno aconteça com segurança e de forma responsável.

    Responder
  • Cristina Domingos Mendonça
    21/08/2020 17:24

    Complicado esse momento para pensar em um retorno baseado em outros países

    Responder
  • Regimara de Souza
    21/08/2020 17:52

    Realmente terão que ser tomadas providências e adotados novos comportamentos. A pergunta é : Temos pernas para isso ?

    Responder
  • Edivanio carlos da Silveira
    21/08/2020 18:18

    Infelizmente nossa nação,ainda não há condições de retorno as aulas presenciais. uma vez que, temos questões mais complicadas do que outros países que retomaram os trabalhos. Ainda apresentamos números altíssimos de casos de Covis-19, altos números de óbitos e nossas condições sanitárias muito aquém das exigidas pelos protocolos de saúde.

    Responder
  • Suzana Barros
    21/08/2020 19:36

    O momento agora é de reflexão e empatia. Ou seja, será que todos teriamos coragem de mandar nossos filhos para escola, considerada um campo de proliferação do virus?

    Responder
  • Cristina
    21/08/2020 19:38

    É um momento bem delicado pelo qual estamos passando e precisamos tomar decisões com muita cautela. Precisamos estar cientes de todos protocolos necessários e certos que serão viáveis sua aplicação. pois trabalhamos com vidas de crianças pequenas. Crianças essas que precisam mais do que nunca da nossa atenção e olhar diferenciado.

    Responder
  • Maria Aparecida de Lima e Albuquerque
    21/08/2020 19:42

    Difícil pensar em retorno na Educação Infantil (creche), porque será uma nova adaptação, choro, colo, consolo, etc… Como vamos fazer isso?
    Como proteger as crianças e a nós, com equipamentos (mascaras, luvas e outros), como lavar o tempo todo???

    Responder
  • Ver todo esse controle adotado pela China, só me faz ficar ainda mais apreensiva a respeito das escolas públicas do Brasil. Será que há garantias de se adotar e manter diariamente os protocolosde higiene aqui, nas nossas escolas? Eu penso que não ….

    Responder
  • Regiane Aparecida Martinez
    21/08/2020 21:15

    Um novo normal difícil para a educação! Teremos todos os cuidados como sugere os procolos? Pessoal suficiente para a limpeza?

    Responder
  • Liese Pereira Santos Souza
    21/08/2020 21:42

    Acredito que ainda não temos as condições necessárias para voltarmos às aulas, e isso é muito triste, pois o nosso país não se planejou ainda para esse retorno. Vejo muita fala, mas pouca ação. Um governo que não consegue cuidar da sua população, acho até injusto ser comparado com qualquer outro país, pois a vida aqui ainda não é prioridade imagina a educação!

    Responder
  • Ana Maria Nogueira
    21/08/2020 21:58

    Com certeza o retorno às aulas envolve muitas vidas e mesmo com todos os protocolos sugeridos ainda temos que trabalhar a consciência e a disciplina, a meu ver essa será parte mais difícil!

    Responder
  • Sonia balduini
    21/08/2020 22:09

    Acho que no Brasil ainda não estamos preparados para o retorno às aulas as crianças ainda tem que se adaptarem ao uso da máscara por um tempo maior

    Responder
  • Aparecida Eleutério Belo
    21/08/2020 22:37

    Muito preocupante o retorno em nossas escolas. A pandemia não está sendo respeitada como devia, a população no Brasil esta se comportando como se a pandemia já estivesse totalmente controlada. Sem contar na realidade do país, que não dinheiro para investir na educação e com muitas escolas sucateadas, como ter condições de suprir todo o amparato para a volta das aulas. O professor vai precisar comprar do seu próprio bolso para se proteger.

    Responder
  • Anali Vicente CoelhoRode
    21/08/2020 23:10

    Aqui no Brasil , vivemos outra realidade.Não tem como comparar com outros paises, tem escolas que se quer tem material de limpeza adequado.Infelizmente o retorno tem que ser bem pensado para não colocarmos nossos alunos e nós professores em risco.

    Responder
  • GLORIA DE JESUSMLIMA
    21/08/2020 23:36

    AS VOLTAS AS AULAS TEM QUE TER UMA ÓTIMA ESTRUTURAS FÍSICAS E DOS EQUIPAMENTOS DE NECESSÁRIOS PARA O ATENDIMENTO E O COMPRIMENTO DOS PROTOCOLOS DE SEGURANÇA PARA TODOS QUE FREQUENTAM O ÂMBITO ESCOLAR. NO MEU VER É IMPOSSÍVEL O RETORNO SEM VACINAÇÃO

    Responder
  • Valdice Soares Espelho
    22/08/2020 00:14

    O Brasil comparado à China, não tem toda essa estrutura para garantir segurança aos alunos e profissionais da educação, no retorno às aulas presenciais. Falta recursos humanos e financeiros para equipar todas as escolas.

    Responder
  • Juracy Valeriano Dutra Marcial
    22/08/2020 00:28

    Essas medidas adotadas pela china não será possível no Brasil, principalmente nas escolas precárias das periferias, ainda mais que aqui querem começar pela educação infantil, onde o uso obrigatório de máscara se torna inviável, o distanciamento também devido ao tamanho das salas etc….

    Responder
  • A minha opinião é: “sem vacina, sem retorno”.

    Responder
  • Magda Cunha
    22/08/2020 10:03

    Acredito na volta com algumas restrições, muitos cuidados e prevenção com medicamentos para a prevenção ao vírus. Isso já temos, basta ser implantado.

    Responder
  • André Fernandes Mendes Rodrigues
    22/08/2020 13:28

    Fato é, teremos que adotar diversas medidas para a escola não ser um lugar de alta contaminação após o retorno presencial. Precisaremos de muitos recursos para ofertar um retorno seguro a todos.

    Responder
  • GEISE Maciel
    22/08/2020 14:54

    É preciso repensar esse retorno tendo em vista toda condição estrutural das escolas, onde algumas ao menos têm janelas que podem ser abertas. Conhecer diferentes propostas de locais diferentes é válido, mas não podemos tomar como receita uma vez q cada escola atende uma demanda diferente.

    Responder
  • Marcela Barbosa Ribeiro
    23/08/2020 02:29

    Não consigo visualizar uma estrutura de cuidados e prevenção similares as apresentadas no texto, nas escolas brasileiras.

    Responder
  • Kele Cristina Cardoso Da Silva Durre
    23/08/2020 12:47

    O MOMENTO É MUITO PREOCUPANTE PARA RETORNAR.

    Responder
  • Katia Maciel
    23/08/2020 17:36

    Acredito que profissionais da escola têm competência para planejar e replanejar espaços e tempos, porém faltam recursos humanos e financeiros para implementar um retorno seguro, sem contar que os governos deveriam fazer camapanhas fortes de concientização sobre a doença, suas formas de transmissão e maneiras de se proteger, pois o que vemos até aqui é muito pouco! Não temos condições de voltar antes de camapanhas de conscientização e vacina para todos!

    Responder
  • Claudia M. Ferreira
    23/08/2020 21:31

    Após ler atentamente as ,medidas sanitárias adotadas pela China e, pensando no cenário escolar brasileiro, no qual a maioria dos estudantes advém da rede pública de ensino, que em sua grande maioria não possuem condições de realizar todo este aparato sanitário a fim de, evitar a propagação do vírus, me deixa com muito receio do retorno as aulas, pois sabemos que, muitas destas medidas não terão condições de serem implantadas em nosso país, ou seja o desafio é imenso.

    Responder
  • Claudia M. Ferreira
    23/08/2020 21:46

    Após ler atentamente o texto sobre o retorno as aulas, pude fazer as seguintes considerações: a maioria dos nossos aluno no Brasil advém da rede pública de ensino, que a té o presente momento mostra-se frágil com relação as aulas remotas, pois muitos alunos não possuem internet, ou celulares compatíveis com os sistemas operacionais; um outro ponto que cabe aqui salientar é o fato que as escolas públicas já vem num processo de não compatibilidade em relação as escolas particulares; como que os profissionais da educação serão formados em relação aos protocolos sanitários? quem irá fazer essa formação? como ela se dará?
    qual o trabalho que será realizado para com os pais , com o intuito de trazê-los para junto da comunidade escolar nesse período complicado no qual estamos vivendo? enfim são muitas dúvidas e pocas respostas. ´e muito preocupante o retorno as alas presenciais no Brasil.

    Responder
  • Neuza Miranda
    23/08/2020 23:48

    Muito bom, fiquei feliz em participar

    Responder
  • Andressa Fernandes
    24/08/2020 05:26

    Realmente, para acontecer um retorno, acredito que não deve ser iniciado pelo fundamental 1 nem pela educação infantil. Além de não termos estrutura para agir como a China na questão dos equipamentos e produtos necessários para os procedimentos de segurança, são idades que ainda exigem o vinculo diário muito forte. Esperamos que a vacina ou alguma alternativa saia logo para que possamos ajustar essas questões e voltarmos com segurança

    Responder
  • Juliana Pereira
    24/08/2020 10:15

    No Brasil , nossa infraestrutura ainda é precária , mais que planejar , será necessário implementar/ garantir protocolos sanitários e materiais necessários para tal. Como manter o distanciamento entre crianças pequenas?

    Responder
  • Por aqui sugere-se o retorno primeiramente da Educação Infantil, na contramão de tudo o que é recomendado no restante do mundo. Isso é um absurdo!

    Responder
  • Silvania
    24/08/2020 16:49

    É muito preocupante a situação no Brasil, visto que as estruturas predial deixa muito a desejar e sabemos das condições precária com os equipamentos de proteção individual o que nos deixa com muito medo da contaminação.

    Responder
  • Adriana Rocha
    24/08/2020 16:56

    Aqui no Brasil temos uma realidade totalmente diferente,é preocupante esse retorno, sabemos que acontecerá e a responsabilidade da escola será em dobro.

    Responder
    • Luciedna Araújo
      28/08/2020 17:54

      Nossa realidade é totalmente diferente de qualquer outro país. Estamos preocupados e ansiosos com propostas e protocolos feito para nossas escolas. O que se copia de lá, não dá pra aplicar aqui. Nossa realidade, nossos alunos, nossa vida.

      Responder
  • Daiani dos Santos Soares
    24/08/2020 17:09

    Infelizmente no Brasil, não temos a mínima condição de voltar as aulas presenciais. Espero que seja um momento bastante reflexivo, no qual possamos investir mais em prevenção e saúde. Pois não estamos livres de uma proxima onda de pendemia.

    Responder
  • Infelizmente, o que vemos em todos o cenários é ainda o risco de contaminação, mesmo com todas as medidas de segurança tomadas na China, como mãe ainda assim não me sentiria segura em mandar minha filha, as autoridades trabalham com números, gráficos, estatística, mas nós trabalhamos com a segurança de nossos filhos e pensando nisso…. O risco teria que ser zero, o que infelizmente não é possível ainda garantir em nenhum lugar do mundo.

    Responder
  • Tatiana Oliveira
    24/08/2020 17:51

    No possível retorno, além do investimento das políticas públicas, teremos que contar com a parceria das famílias. O que as vezes considero que não temos, as famílias “fingem” não ouvir e atender as solicitações das escolas. Tomara que isso mude.

    Responder
  • Andressa Jorge Catalano
    24/08/2020 18:11

    O retorno deve ser gradual e de maneira segura, seguindo as orientações da OMS.

    Responder
  • Elaine Custodio
    24/08/2020 18:34

    Claro que devemos levar em consideração os exemplos de outros países, mas também devemos atentar a nossa desigualdade perante esses países, tanto sociais, quanto econômicas.
    Então, acho que que o retorno ainda é prematuro, pois o descaso com a educação não é de agora, e com a pandemia só veio ressaltar esses problemas.

    Responder
  • MARIA CÉLIA MAXIMO DA SILVA
    24/08/2020 19:27

    O retorno pede muita cautela, planejamento. Vivemos uma realidade bem diferente em relação aos Países de primeiro mundo.

    Responder
  • Lucineide Oliveira
    24/08/2020 19:57

    Difícil pensar em retorno na Educação Infantil,sem fazer o acolhimento com um gesto de carinho,sem contar que será uma nova adaptação.No momento é muito preocupante para retornar as aulas presenciais no Brasil.Enfim são muitas dúvidas e poucas respostas.

    Responder
  • Fabiana Reis Souza Almeida
    24/08/2020 20:11

    O retorno é de suma importancia com cautela, e todos os cuidados necessarios.

    Responder
  • Sônia Rodrigues
    24/08/2020 21:11

    Concordo em dizer que em nosso país é tudo mais difícil! Mas um dia iremos voltar e devemos estar preparados com novas propostas para atender nossas crianças.

    Responder
  • Maria das Graças Viana Alves
    24/08/2020 21:37

    No Brasil a realidade das nossas escolas é bem diferente da China. Interessante na China a Educação Infantil não foi a primeira a voltar…

    Responder
  • Damásio R.
    24/08/2020 21:59

    pensar no retorno das atividades no momento exige garantias de saúde

    Responder
  • Maria Neusa Soares Pavan
    25/08/2020 00:42

    As nossas condições são bastante precárias em relação a outros países. Temos dificuldades até com adultos na questão uso de mascaras, com as crianças então mais complicado. Ainda acredito que é preciso analisar melhor as questões, para não acarretar mais problemas.

    Responder
  • SIMONE APARECIDA GOMES
    25/08/2020 11:35

    Concordo e admiro as medidas de primeiro mundo, podemos até termos referências, entretanto, a educação, a disciplina, o respeito as regras e normas aqui no nosso País infelizmente não se contempla. E as escola é reflexo do que ocorre na falta desta educação e cidadania que não vem da escola, a Educação não se resume a educação escolar, envolve muito além questões culturais e de cidadania, que não se forma na escola!!!! A escola é um extensão do que se antecede o aluno chegando. Aqui infelizmente os sistemas precisam mudar a responsabilidade não é somente de que está na linha de frente. Vale uma nova reflexão dentro de nossa realidade.

    Responder
  • Rosa Ferreira
    25/08/2020 14:33

    Realmente é mt preocupante a retomada das aulas. Imagino o educador ter q proibir o contato entre as crianças e adultos?? Estamos preparados para isso?? E os protocolos, temos estrutura e dinheiro para isso???
    Enfim estamos prontos tanto fisicamente como emocionalmente para essa retomada???
    Muitas perguntas e poucas respostas.

    Responder
  • Sandra Cristina Garrotte
    25/08/2020 15:17

    No Brasil é muito preocupante, pois não temos escolas com ventilação, dificilmente manter distanciamento, difícil o habito de disciplina ao uso de mascara etc.

    Responder
  • É importante sabermos como outros países estão trabalhando a.volta às aulas, porém no Brasil as escolas públicas e muitas particulares não tem estrutura física e nem financeira para realizar estacesta volta com segurança para todos, crianças, funcionários efe

    Responder
  • Iara Aparecida da Silva Arruda Romano
    25/08/2020 16:39

    Bom!!! Todos nós estamos muito preocupado com toda essa situação, mais no momento o que mais me preocupa é a Educação Infantil,como voltar mantendo distâncias dos pequenos não têm como.

    Responder
  • Ana Claudia de oliveira Vissotto Ortiz
    25/08/2020 17:07

    Nossa ,ainda esta um pouco distante nosso retorno assim com todo aparato de segurança nas escolas! Mas iremos superar essa situação!

    Responder
  • Momento de se preocupar com a saúde e vida de todos. Ter por base a experiência e resultados de outros países é bom e necessário, mas nao esquendo da realidade do nosso país.

    Responder
  • Francisca Evelania
    25/08/2020 18:38

    Acredito que aulas presenciais com segurança, só mesmo quando tiver uma vacina.

    Responder
  • Francisca Evelania Lemos Souza
    25/08/2020 18:42

    Retorno com segurança, apenas quando tiver uma vacina!

    Responder
  • Francisca Evelania Lemos Souza
    25/08/2020 18:46

    Na educação infantil, fica difícil pensarmos num retorno, sendo que será preciso um período de adaptação, onde as crianças precisam de colo, do toque.

    Responder
  • Maria Aparecida Ribeiro de Campos
    25/08/2020 20:40

    Nossa realidade é bem diferente aqui em Diadema.
    Para atender adequadamente aos protocolos exigidos será preciso Dispenser muitos recursos, inclusive humanos e não sei quando isso será possível.

    Responder
  • Cristiane Aguiar Gambichler
    25/08/2020 20:50

    Por enquanto não acredito em um retorno seguro para nenhuma faixa etária, na educação infantil de 0 a 3 anos nem pensar, não há as mínimas condições sanitárias e estruturais para voltarmos. Só com a vacina poderemos pensar um um retorno “seguro”.

    Responder
  • Aparecida Lidia Jovaneli
    25/08/2020 22:35

    Creio que no Brasil tenha condições de retorno das aulas presenciais, pois as condições são precárias, muitas pessoas não tem o básico e o País não tem infraestrutura para monitorar ou subsidiar o mínimo. Com a vacina, podemos pensar num retorno seguro.

    Responder
  • Ana Paula de Lima Leão
    25/08/2020 22:59

    Acho bárbaro um país que trata a doença com responsabilidade. Acho que o caminho é esse. No caso da China parece que teve uma rede de proteção desde a casa do aluno. Aqui, esse modelo não teria como acontecer… Não temos tamanha disciplina, infelizmente. Teremos mesmo que pensar dentro das nossas possibilidades o que fazer quando chegar o dia de retornar. Será mesmo um desafio para nós, brasileiros.

    Responder
  • Cintia Novaes
    26/08/2020 00:08

    Como imaginar um retorno seguro no nosso país com tanta escassez de material e pessoal que temos nas escolas? Como acolher os bebês que necessitarão de uma nova adaptação sem colo, aconchego ? Inimaginável um retorno psicologicamente saudável com tantas restrições e preocupações.

    Responder
  • Susana Abreu
    26/08/2020 00:48

    A realidade de Diadema é diferente . Na minha opinião o retorno com segurança é mediante a vacina.

    Responder
  • Sandra A. O. De Paula
    26/08/2020 01:25

    Cada país tem realidade. No Brasil a escola pública já sofre com falta de recursos e profissionais em condições normais , durante a pandemia que Tudo necessita de esforços redobrados, fica difícil imaginar uma volta segura as aulas.

    Responder
  • Vera Lucia Ludwig Ramos
    26/08/2020 01:32

    Sinto dizer que os países como China, Japão e os países europeus não podem ser parâmetros para o Brasil onde a educação é tão desvalorizada, não só pelo governo, mas pelo povo também. Nem imagino como poderá ser esse retorno.

    Responder
  • Márcia Dias
    26/08/2020 01:46

    Ao observar tamanho investimento, numa cultura que já em si exerce comportamento bastante diferenciado dos brasileiros, é basicamente inadequado pensar numa especie de “inculturação’

    Responder
  • Francisca Lima
    26/08/2020 12:09

    Creio que só podemos pensar em um retorno seguro quando tivermos a vacina, não temos estrutura para garantir o cumprimento dos protocolos de saúde.

    Responder
  • Joselia Ferreira da Silva
    26/08/2020 12:40

    Em tempos normais trabalhávamos com recursos Gerais, incluindo os de higienização de espaços e de pessoas, escassos. Não creio que iremos conseguir comparar com a China ou qualquer outro país. O investimento em desinfecção não acontecia como devia e continuará não acontecendo.

    Responder
  • Elisângela
    26/08/2020 14:17

    sabemos que teremos que fazer essa retomada, mas da muita insegurança pois temos muitos mais questionamentos do que certezas. Quando se pensa em um retorno com as condições minimas de segurança, já causa uma certa inquietação, pois sabemos que em dias “normais” esse minimo é escasso.

    Responder
  • Zoraide Carpanez Benzi
    26/08/2020 17:36

    A leitura e as propostas aplicadas na China servem de embasamento para aplicarmos protocolos aqui no Brasil. Entretanto teremos em nossas escolas públicas condições econômicas para contemplar todos os os procedimentos: máscaras , barreira de verificação para desinfecção, sensor de temperatura, sala de contenção. Para países com poder econômico, isto é uma prática hábil, porém no Brasil é utopia o retorno sem haver a vacina.

    Responder
  • Lucineia
    26/08/2020 17:45

    Perfeito, as medidas tomadas na China servem como exemplo para que possamos pensar em algo parecido. As prevenções, os ensinamentos sobre a Covid, o retorno as aulas, como devemos nos comportar…já fizemos as informações, as prevenções registradas nas atividades que enviamos aos alunos…e esperamos que as familias tenham nos ajudado nessa aprendizagem.

    Responder
  • Simone Cristina Avelino
    26/08/2020 17:53

    Certamente a escola pública no Brasil não tem condições mínimas para um retorno seguro.

    Responder
  • Paula Costa
    26/08/2020 18:12

    Acredito que para nosso retorno muitas mudanças deverão ter que ocorrer, ainda mais em se tratando de um ensino público, que sem pandemia já usávamos materiais em um número bem reduzido ou escasso de itens. Mas creio que será possível com toda equipe em prol de nosso retorno.

    Responder
  • Simone Avelino
    26/08/2020 18:19

    Certamente no Brasil não dispomos ainda das mesmas condições.

    Responder
  • Marlene Terzi de Moura
    26/08/2020 18:26

    Todos nós brasileiros, devemos ter muita consciência, cautela e responsabilidade com relação a volta às aulas presenciais, devemos estar bem preparados em todos os sentidos para este retorno. Como por exemplo, explicação para todos os alunos sobre o vírus, manter o distanciamento sem contato físico, usar máscaras, assim como os ambientes e móveis escolares devem ser desinfetados diariamente.

    Responder
    • Marlene Terzi de Moura
      26/08/2020 18:28

      Todos nós brasileiros, devemos ter muita consciência, cautela e responsabilidade com relação a volta às aulas presenciais, devemos estar bem preparados em todos os sentidos para este retorno. Como por exemplo, explicação para todos os alunos sobre o vírus, manter o distanciamento sem contato físico, usar máscaras, assim como os ambientes e móveis escolares devem ser desinfetados diariamente.

      Responder
  • Marlene Terzi de Moura
    26/08/2020 18:42

    Todos nós brasileiros, devemos ter muita consciência , cautela e responsabilidade com relação com relação a volta às aulas presenciais, devemos estar bem preparados para este retorno. Devemos seguir as medidas adotadas na China, pois são bastante adequadas e pertinentes.

    Responder
  • Marlene Terzi de Moura
    26/08/2020 18:50

    Todos nós brasileiros, devemos ter muita consciência, cautela e responsabilidade no retorno das aulas presenciais. Como exemplo, devemos seguir as medidas adotadas pela China, pois são muito pertinentes e adequadas.

    Responder
  • Marlene Terzi de Moura
    26/08/2020 18:57

    Todos nós brasileiros, devemos ter muita consciência, cautela e responsabilidade no retorno às aulas presenciais. Devemo adotar como exemplo, as medidas tomadas na China, pois são muito adequadas e pertinentes.

    Responder
  • Marlene Terzi de Moura
    26/08/2020 19:03

    Todos nós brasileiros, devemos ter muita consciência, cautela e responsabilidade com relação ao retorno às aulas presenciais. Como exemplo, devemos adotar as medidas da China, pois são muito pertinentes e adequadas.

    Responder
  • Marlene Terzi de Moura
    26/08/2020 19:08

    Excelente e muito adequada as medidas adotadas na China. O Brasil deve adotar também todas essas precauções para o retorno das aulas presenciais com segurança.

    Responder
  • Segurança pra mim, só com a vacina.

    Responder
  • Achei interessante essas normas, mas será que aqui no Brasil elas iriam dar certo? Será que as prefeituras teriam condições de fazerem todas essas mudanças?

    Responder
  • Luana Lopes Galvan
    26/08/2020 21:45

    Nossa realidade é muito diferente da China. A disciplina entre os chineses e o valor que dão à educação são medidas que tornam eficazes as medidas de segurança. Ainda bem que eles também reconheceram que a Educação Infantil não poderia retornar à escola, pois as características da faixa etária não permite que saibam a real necessidade do distanciamento social. Espero que um dia possamos alcançar essa valorização da educação brasileira.

    Responder
  • Vanessa castro
    26/08/2020 21:46

    Acredito que algumas ações sejam até possíveis como prevenção. Porém os brasileiros vão sempre contra regulamentos e regras, mesmo que sejam para preservar as próprias vidas e a dos outros.

    Responder
  • Anna Siciliano
    26/08/2020 23:07

    No Brasil temos uma realidade bem diferente do que acontece na China. Dificilmente teremos uma equipe de profissionais para cumprir protocolos semelhantes aos implementados como por exemplo em Pequim .

    Responder
  • SIMONE ABDALA HACHUY
    26/08/2020 23:18

    No Brasil escolas já apresentam falta de funcionários da frente de trabalho,materiais de higiene,número alto de alunos por sala ,a saúde também sempre foi um grande problema.
    Eu como professora de alunos com deficiência intelectual e autismo,onde o contato é direto ,acho muito loucura um retorno este ano.

    Responder
  • Carolini
    27/08/2020 12:42

    Raalmente é complicado pensar em retorno agora, mas ele vai acontecer e temos o dever de nos preparar. Pode até ser no próximo ano, mas mudanças são necessárias e este é o momento de discussão, estudo e planejamento.

    Responder
  • Fernanda Azevedo da Silveira
    27/08/2020 12:51

    Eu fico muito apreensiva com as medidas tomadas e qual será o proximo passo. É uma doença nova, não sabemos muito sobre ela. É dificil dizer a minha opinião sobre o retorno, se é mesmo seguro ou não voltar em breve. Precisamos da vacina.

    Responder
  • Tamires de Assis Lima Martins
    27/08/2020 13:06

    Pensar no retorno seguro é muito importante. As escolas estão fazendo avaliações e as situações levantadas não são muito favoráveis. Muitas escolas têm pouca ventilação, espaços pequenos, sem condições de manter a higienização, como é recomendada pelas autoridades sanitárias. São poucos funcionários para dar conta dessa demanda. Então como retornar com segurança? O caso chinês é muito diferente da nossa realidade, nós somos um país muito desigual, e isso é refletido em nossas escolas e nossas comunidades.

    Responder
  • Helena Regina de Santana
    27/08/2020 13:12

    Retorno no Brasil só com vacina. Não temos estrutura para esse retorno seguro. Muitas escolas em dias normais sempre faltava o básico imagina agora.

    Responder
  • Cleide Aparecida da Silva Brito
    27/08/2020 13:20

    É, vendo o exemplo da China fica difícil pensar no Brasil, onde td é mais difícil com tanta burocracia e falta de empatia pelo outro onde ainda existem pessoas achando que tudo isso é “politicagem”,mas vamos ter que esperar pra ver .

    Responder
  • Adriana Monteiro
    27/08/2020 13:33

    Desafios enormes e muita responsabilidade para a gestão que nesse momento também precisa de políticas públicas de segurança para esse retorno. Estamos muito distante da organização mencionada na matéria, infelizmente!

    Responder
  • Alessandra Rainha
    27/08/2020 14:15

    A experiência de outros países pode nos fornecer um norte, mas realmente é preciso levar em conta aspectos da nossa cultura, que é bem diferente da China, por exemplo. A realidade das nossas escolas é marcada pela falta de materiais básicos de higiene, sabemos que a elaboração de protocolos não garante essa oferta de materiais na prática. Estamos cientes da necessidade de mudanças de comportamento, porém não podemos perder a nossa essência e passar a trabalhar uma educação robotizada. No Brasil, os protocolos incluem a Educação Infantil, sem levar em conta as reais circunstâncias de impossibilidade de distanciamento. Quanto à rigidez e cobrança às famílias, sabemos pela experiência que muitos protocolos não serão cumpridos, como já acontece com regras básica do contexto educacional.

    Responder
  • EDJANE MARTINS S. MINIGHITI
    27/08/2020 15:06

    A grande diferença entre o Brasil e a China está demonstrada no texto: 1º recursos humanos suficientes para todas as ações planejadas; 2ª Recursos materiais: pano e alcool para todos desinfetarem seus lugares de estudo; pulseiras medidoras da febre… sistema de saúde para atender os alunos febris; área destinada ao isolamento desses alunos…etc, etc, etc, 3º A questão Cultural influi bastante. Tem um trecho do texto que diz que a polícia fará a barreira para que os alunos só entrem na escola usando máscara… Há uma diferença significativa, entretanto isso não pode nos imobilizar. Temos que pensar as melhores formas condizentes com a nossa realidade, SEM SOBRECARREGAR O PROFESSOR, pois este já terá que lançar mão de toda sua criatividade para retomar toda a questão pedagógica. Não é o professor um técnico em saúde pública, nem sanitarista. Precisamos de um conjunto de apoios das diferentes ou s competências ou instâncias auxiliando as escolas e famílias.

    Responder
  • Daniela Taís Ferreira de Melo
    27/08/2020 18:13

    Acredito que ainda não seja o momento de pensarmos em retorno, uma vez que não seja possível seguir os protocolos mínimos de segurança. Sendo que o básico já não era garantido.

    Responder
  • Marcia Morales Catalano Simões
    27/08/2020 18:27

    Em nossa escola já começamos a discussão.

    Responder
  • Para a volta as aulas temos que pensarmos formas e higienização adequada, pois é essencial.

    Responder
  • Alessandra
    27/08/2020 19:30

    Educação infantil, onde a interação é a todo momento entre todos da escola, não vejo possibilidade desse retorno. A equipe docente e discente correrão sérios riscos de contágio, sem falar dos que estão em casa podendo se contaminar com o vírus trazido da escola.

    Responder
  • Nossa escolas públicas no Brasil não tem condições para adequar essa volta. Sabemos das diversas dificuldades já encontradas no nosso dia a dia como falta de profissionais, materiais insuficientes, estrutura com pouca ventilação e muitos outros problemas. Retornar às aulas em meio a essa pandemia é colocar vidas em risco, das crianças, professores e famílias.

    Responder
  • Fernanda M. Brandão Sizilio
    27/08/2020 21:34

    A realidade da China, é bem diferente á do Brasil, recursos, costumes e cultura, seguem as regras estabelecida, os brasileiros , mal conseguem seguir as regras , seja pela falta de informação, teimosia, ou necessidade extrema, não conseguem fazer o isolamento de forma eficaz, precisamos de recursos financeiros para poder seguir os protocolos de higiene , para obter todos materiais necessário .

    Responder
  • Marisa A. C. Vidal
    27/08/2020 23:01

    Se tudo acontecesse da forma que é descrito no texto, seria tudo perfeito. Mas temos que pensar na realidade de nossos alunos, da nossa comunidade.

    Responder
  • Impossível um retorno seguro sem uma vacina ou tratamento eficaz. A escola pública tem tantas fragilidades que não consegue evitar nem a transmissão do piolho, que dirá de um vírus perigosíssimo.

    Responder
  • Vera Lúcia Romanich
    28/08/2020 12:07

    Com os recursos que temos nas escolas é um desafio muito grande, pois deixa muito a desejar.

    Responder
  • Llian Ap. Teodora de Moura
    28/08/2020 14:41

    Não me sinto segura para retorna as aulas agora, sem antes todos serem vacinados.

    Responder
  • Ana Lúcia Fernandes Teixeira
    28/08/2020 18:37

    Estamos em um momento muito crítico.

    Responder
  • Ana Lúcia Fernandes Teixeira
    28/08/2020 18:39

    É necessário muita cautela.

    Responder
  • Ana Lúcia Fernandes Teixeira
    28/08/2020 18:42

    Precisamos a compreensão de todos.

    Responder
  • Ana Lúcia Fernandes Teixeira
    28/08/2020 18:44

    Primeiramente temos que pensar na segurança de todos.

    Responder
  • Marcia Crispiano de Sousa
    28/08/2020 18:47

    são muito detalhes a se pensar, eu fico com um que me perturba todo tempo, o medo da perda, o medo de ajudar em uma decisão que possa trazer a perda de uma vida, esse pensamento é o que mais me perturba, por isso entendo todas as propostas e admiro o comprometimento das discussões, formações e todo conhecimento que o cenário nos trouxe, mas sei pelo que estudei até agora, que podemos até diminuir o risco do contágio do Covid-19, porém não temos como garantir o não contágio e aí penso diminuir é bom por um ponto de vista,mas se existe uma forma mais segura que é o distanciamento não tenho como ser contra e ficar a favor das aulas presenciais sem vacina e sabemos que muitas crianças podem ser alérgicas à vacinas por exemplo, como disse nesse assunto tenho muito mais duvidas que conhecimento.

    Responder
  • Mundo ideal! Agora me pergunto se é possível ao menos sonhar como medidas como essas nas escolas públicas de nosso país…

    Responder
  • Katiuska
    28/08/2020 20:20

    Infelizmente aqui no Brasil essa proteção toda é uma ilusão, pois não temos recursos para a retomada das aulas. Porém admiro o trabalho feito na China

    Responder
  • observa-se estrutura de planejamento com políticas públicas, sensor de febre nos pulsos para todos os alunos no país chamado Brasil , utopia.

    Responder
  • Márcia Conceição Alves
    28/08/2020 23:03

    As medidas tomadas na China servem como exemplo, no Brasil a realidade é bem diferente, nossas escolas públicas muitas vezes falta materiais necessários, acredito que ainda não é seguro voltar as aulas, é preciso contemplar todos os os procedimentos de seguranças, o mais importante neste momento é manter a calma e preservar vidas.

    Responder
  • Luciana de Almeida Ulba de Brito Miranda
    29/08/2020 14:08

    As informações apresentadas são muito relevantes. Devemos nos preparar para um retorno em breve, lembrando que garantir um retorno seguro para todos é o mais importante neste momento.

    Responder
  • A China apresentou protocolos bastante válidos nessa retomada ás aulas, porém sabemos que a nossa realidade é completamente diferente.Será um grande desafio esse retorno em nosso país.Só acredito em um retorno seguro mediante a vacina!

    Responder
  • Sandra Mandarano
    31/08/2020 11:42

    Certamente a estrutura das escolas brasileiras não é a mesma das escolas chinesas, espero que todos os envolvidos tenham clareza dos protocolos a serem seguidos. Na rede pública faltava-nos (antes da pandemia) itens básicos, precisamos exigir das autoridades competentes que tenhamos as condições e os materiais necessários para o cumprimento dos protocolos no retorno às aulas.

    Responder
  • Sandra Mandarano
    31/08/2020 11:43

    Na rede pública faltava-nos (antes da pandemia) itens básicos, precisamos exigir das autoridades competentes que tenhamos as condições e os materiais necessários para o cumprimento dos protocolos no retorno às aulas.

    Responder
  • Raquel Sampaio
    31/08/2020 12:01

    Acho muito interessante as medidas de retomada das aulas na China !Outra realidade!

    Responder
  • Gioconda
    31/08/2020 14:58

    Falar em voltar as aulas, me parece muito prematura e inseguro! Sem segurança máxima, sem retorno as aulas!!!

    Responder
  • JANETE M R VIEIRA
    31/08/2020 15:32

    Nossa realidade é completamente diferente, não conseguimos sequer garantir o uso de máscaras entre os adultos, quanto mais dentro das escolas!! Vale lembrar que antes da pandemia já não tínhamos insumos básicos para o dia a dia, como materiais de limpeza e papel higiênico, certamente um milagre não vai acontecer!!!

    Responder
  • ANDREA FRANCIULLI FERREIRA - Externo
    31/08/2020 18:50

    Difícil pensar em retorno na nossa realidade , sem vacina acho bem inviavel.

    Responder
  • veronica c. quisbert
    31/08/2020 20:25

    Nesta situação todo cuidado é pouco. Estamos enfrentando algo diferente, perigoso e novo. Precisamos pensar em um retorno seguro sim, com protocolos necessários. Ensinar as crianças, adolescentes e adultos a questão da higiene, que por muito tempo ficou “esquecida”. Só a vacina, não acredito que ira da segurança.

    Responder
  • Geciana Neves
    31/08/2020 21:51

    O retorno requer muita cautela, e uma educação instrucional que precisa vir de casa, pois se deve conversar a mesma língua, principalmente quando se trata de educação infantil. De verdade é muito complicado com os pequeninos.

    Responder
  • Triste imaginar um retorno, sabendo que não temos estrutura para todos os protocolos de segurança necessário.

    Responder
  • Wanderlaine
    01/09/2020 01:22

    Infelizmente não vejo este retorno seguro,pois não temos os item adequados para um retorno seguro em nossas escolas. Será realmente um desafio,ter que ir na contra mão do que acreditamos na educação infantil.

    Responder
  • ANA PAULA Neves do Nascimento
    01/09/2020 18:30

    O problema maior é a precariedade da maioria das escolas.

    Responder
  • Andréa Cristina da Silva Inácio
    02/09/2020 21:28

    As adaptações são muitas e quando vemos os exemplos de outros países, fico muito preocupada com nosso Brasil, onde adultos não conseguem seguir recomendações simples, como o uso da máscara.

    Responder
  • nilza Correa Lagercrantz
    03/09/2020 01:26

    Cada país deve se adequar a sua realidade, as nossas escolas necessitariam de muitas adaptações e pelo que vemos isso não está acontecendo, irão esperar a o retorno para fazerem algo. É muito preocupante e é necessária providências nas mudanças o mais rápido possível!!!

    Responder
  • Edileusa
    03/09/2020 02:08

    Infelizmente a realidade das nossas escolas no Brasil é completamente diferente. Difícil pensar em retorno, o mais importante neste momento é preservar as vidas.

    Responder
  • Bianca Bueno
    03/09/2020 13:33

    Que realidade diferente!! Tenda de desinfecção para cada escola, relógio que mede a temperatura, bem fora da nossa realidade.

    Responder
  • Maria Aparecida Guedes
    03/09/2020 18:07

    Que bom que lá as “coisas” começaram a retomar assim como as aulas presenciais. Ma aqui no Brasil e no mundo também temos muito o que pensar e discutir sobre a volta as aulas presenciais.
    Essa doença é nova, em cada pessoa ela se manisfesta de um jeito, muitas pessoas morrendo, e na escola é onde se convive com o outro, faz novas amizades, descobre um outro mundo.
    A educação infantil é o início de tudo, e é através do afeto, abraçar, que vão se criando laços e novas descobertas. Então falar em retorna as aulas presenciais ainda mais na educação infantil nesse momento acho inviável. E necessário primeiro a descoberta de uma vacina, equipamentos de Epi’s para todos, alunos, professores e toda equipe da escola.

    Responder
  • Alvaro Antunes Sperduto
    03/09/2020 18:29

    Retornar com segurança em primeiro lugar.

    Responder
  • Eliade Roberto
    03/09/2020 18:36

    O cenário educacional lá é um aqui temos outra realidade que é completamente desigual e incomparável,não haverá equipamentos, luvas e e o básico para todos se material já falta…

    Responder
  • A China é um país muito bem estruturado e assim que começou a pandemia ele rapidamente se preparou para esse momento. Com relação a educação não seria diferente, então temos que analisar as nossa realidade do nosso País

    Responder
  • Visto que nossa realidade é completamente diferente , pois não temos a estrutura da China e nem os nossos governantes a mesma preocupação e intenção de investir tanto para o retorno as aulas .
    Quando em nosso país foi disponibilizado grandes verbas para educação ? Quando a educação foi prioridade ?
    Se tivessem um olhar adequado para educação já deveriam ter começado a se mobilizar perante a grande desigualdade que a pandemia veio gritar …Sabemos que mais da metade dos nossos alunos na rede pública não tiveram acesso as aulas on-line por falta de recurso . E o que foi feito ? Nada …

    Responder
  • Simone Aparecida Procópio
    04/09/2020 01:15

    A realidade e cultura dos países citados são muito diferentes das nossas. Para retornar precisamos ter segurança.

    Responder
  • PATRICIA TELES GONÇALVES
    04/09/2020 23:28

    A China é um país com uma cultura diferente antes mesmo desse momento atípico ou seja é necessário lembrar que aqui passamos o quanto é importante o contato, e agora um retorno sem vacina sem preparação de uma nova postura é bem provável que jã sabemos que podemos ter resultados prejudiciais .

    Responder
  • A forma como a China tem enfrentado a pandemia, sobretudo organizado o retorno às aulas, é impressionante. Mostra que realmente as coisas funcionam por lá. Há muito planejamento,organização e principalmente recursos. Sinceramente, pensando na nossa realidade, acho bem difícil conseguirmos retomar as atividades com o mínimo de segurança. O ano letivo já está comprometido e praticamente no fim. Agora, e no próximo ano? Será que até lá estaremos realmente preparados, enquanto escola, para retomar o nosso trabalho com as crianças???

    Responder
  • A escola pode fazer todos os protocolos, mas isso não garante que não tenha avanço de contaminação. Outra coisa que temos que entender, mudar a rotina, são várias ações que não podem ser as mesmas. Temos que olhar a realidade que temos, parar de ficar pegando exames de fora.

    Responder
  • Marjorie
    05/09/2020 20:56

    A volta com responsabilidade requer o cumprimento de um Protocolo o qual não estamos preparados para tal. Então acredito que a volta ainda não seja nesse momento eficaz!

    Responder
  • ELAINE FERNANDES FERREIRA
    06/09/2020 00:05

    Acredito nas aulas presenciais somente em 2021 para que as escolas e equipe escolar possam se preparar melhor.

    Responder
  • Priscila das Graças Souza do Nascimento
    07/09/2020 11:56

    Muito difícil a decisão de retorno às aulas. Em outros países pode ter dado certo, mas a realidade do nosso país, ou melhor, a cultura das pessoas do nosso país, é bem diferente. Pois além de termos poucos recursos para oferecer o mínimo de segurança às crianças, ainda tem a questão de que muitos não seguem as orientações, haja visto o número de pessoas que ainda circulam sem máscara, insistindo até em entrar nos estabelecimentos.

    Responder
  • Iara Aparecida da Silva Arruda Romano
    07/09/2020 15:43

    Também concordo que não podemos nós comparar com outros países, pois vamos combinar que é bem diferente do Brasil infelizmente.

    Responder
  • Shady Monteiro Freitas Ramos
    08/09/2020 09:11

    Apesar da China ter uma realidade totalmente diferente da nossa, é bastante válido os esclarecimentos das medidas e rotinas utilizadas para o retorno as aulas

    Responder
  • Jose Roberto Vidal
    09/09/2020 13:22

    Esse momento exige muita cautela, mesmo com todos os protocolos de segurança, é perigoso, pois são crianças que mesmo sem querer podem distrairem-se e acabar se infectando com a covid, precisamos da vacina, para voltarmos com segurança, neste momento as vidas bem em primeiro lugar.

    Responder
  • Priscila Barbosa de Souza
    14/09/2020 13:38

    Retorno apenas com segurança. Nossa realidade é outra. Enquanto não houver vacina, não é seguro voltar.

    Responder
  • Estamos numa situação de grande tomada de decisão.

    Responder
  • Laila Silva de Araujo
    14/09/2020 19:54

    Fiquei pensando como deve funcionar este encaminhamento para atendimento no serviço de saúde e como é o retorno para a escola após este encaminhamento. Na prefeitura de Diadema, no dia a dia da creche enfrentamos muitos conflitos com os pais quando se trata de buscar o filho doente na escola e de trazer atestado médico comprovando a liberação para frequentar a escola novamente. Gostaria de saber mais detalhadamente como esta medida funciona na prática.

    Responder
  • edina pedro
    14/09/2020 20:16

    A educação dos países orientais são bem diferentes de nosso país.
    Realmente, considero a comparação surreal, pois a nossa cultura “deixa de lado” uma educação que busque a autonomia das pessoas e cuidado com o outro visando o bem estar coletivo e não só o seu.
    Como exemplo, um país que não joga lixo no chão, um país que as próprias crianças passaram um pano na sua mesinha e cadeirinha.

    Responder
  • Janaine Silva Espíndola Araújo
    21/09/2020 17:33

    A falta de recursos educacionais é o que mais chama minha atenção ,afinal como acreditar em um país que a saúde/educação não é prioridade ??

    Responder
  • Janaine Silva Espíndola Araújo
    21/09/2020 17:34

    A falta de recursos educacionais é o que mais chama minha atenção ,afinal como acreditar em um país que a saúde/educação não é prioridade ??Vivemos umas sitação atípica, mas o descaso educacional já antigo.

    Responder
  • Patrícia Renata Souza Araujo
    22/09/2020 12:38

    Não vejo as escolas brasileiras sendo capaz de manter um protocolo tão bem estruturado como a China. Isso é muito preocupante.

    Responder
  • Observando todas as medidas tomadas pela China percebemos que estamos há anos luz de distância, pois, nossas escolas precisam lutar primeiramente por recursos básicos (materiais de higiene e até mesmo de limpeza, equipamentos para cozinha, mobília adequada, manutenção elétrica, laudos e vistorias, equipamentos de prevenção de incêndio). Parece até hipocrisia discutir retorno das atividades escolares de modo seguro, se a segurança e investimentos em recursos mínimos são falhos.
    Como falar em barreira de isolamento, se não temos torneiras suficientes; como falar em higienização diária dos espaços, mesas e cadeiras se não possuímos vassouras, rodos e panos em quantidade mínima; como falar em controle familiar quinzenal, se nossas famílias têm dificuldade em participar das reuniões semestrais.
    Gostaria de poder retornar às atividades presenciais sabendo que meus filhos, amigos, colegas de trabalho e minhas crianças tão pequenas pudessem ter acesso, de fato, à educação holística mais favorável.

    Responder
  • Fonlana Cheung
    25/09/2020 19:49

    Sobre esta parte do texto: a educação continua sendo complementada por aulas e atividades remotas, mas o Ministério da Educação chinês está preocupado com os danos que as telas possam causar aos olhos dos estudantes e determinou que atividades digitais não devem exceder o total de 2h30 por dia, com limite máximo de 20 minutos contínuos por atividade.
    Gostaria de saber se essa informação é procedente, pois nós atualmente com o teletrabalho, os estudantes ficamos muito mais de 2h30, e nós professores muito mais.
    Em nossa jornada de trabalho que é basicamente de produção intelectual, no teletrabalho somos totalmente dependente das redes sociais acessadas somente por meio de computadores e celulares.
    E assim ficamos mais de 5 a 8 horas ininterruptas na frente de um computador para as reuniões de HTPC, para atender os alunos, para pesquisa, para preparar as atividades…
    É necessário fazer um estudo para compreender a seriedade desta informação acima, destacada do texto.

    Responder
  • Fonlana Cheung
    25/09/2020 19:54

    Desculpem, o comentário anterior foi com erro. Aí vai o texto revisado:

    Esta parte do texto: a educação continua sendo complementada por aulas e atividades remotas, mas o Ministério da Educação chinês está preocupado com os danos que as telas possam causar aos olhos dos estudantes e determinou que atividades digitais não devem exceder o total de 2h30 por dia, com limite máximo de 20 minutos contínuos por atividade.

    Gostaria de saber se essa informação é procedente, pois atualmente com o teletrabalho, os estudantes ficam mais de 2h30, e nós professores muito mais.
    Em nossa jornada de trabalho que é basicamente de produção intelectual, no teletrabalho somos totalmente dependente das redes sociais acessadas somente por meio de computadores e celulares.
    E assim ficamos mais de 5 a 8 horas ininterruptas na frente de um computador para as reuniões de HTPC, para atender os alunos, para pesquisa, para preparar as atividades…
    É necessário fazer um estudo para compreender a seriedade desta informação acima, destacada do texto.

    Responder
  • KELE DURRE
    28/09/2020 04:17

    O NOVO NORMAL É MUITO PREOCUPANTE,NÃO TEMOS COMO PROSSEGUIR,OS PROTOCOLOS NA REALIDADE SEMPRE EXISTIRAM NAS ESCOLAS MAS NUNCA FORAM CUMPRIDOS COM RIGOR.

    Responder
  • SANDRA MERCIA MARCELINO MAGALHAES
    01/10/2020 02:10

    Puxa, fiquei imaginando se o serviço público aqui no Brasil conseguiria atuar com tanta presteza, com todos os equipamentos de EPIs, aparelho de medição de temperatura individual para cada aluno, profissionais na área de limpeza para higienizar tudo a cada período de aula, isso realmente seria perfeito. No entanto, o que se vê na realidade do cotidiano escolar brasileiro é o contrário de tudo isso, falta verba para tudo, faltam profissionais na área de limpeza e cozinha, não temos toalhas de papel para secar as mãos além de poucos produtos de limpeza. Vamos vibrar para que esta fase de escassez tenha ficado no passado. Quem sabe com tudo o que está acontecendo as coisas mudem para melhor, a esperança é a última que morre.

    Responder
  • erica andrade carlos
    01/10/2020 23:52

    Esse assunto envolve muitas questões politicas.

    Responder
  • Temos que começar a pensar no retorno, nesse novo normal, porém é necessário que seja seguro para todos.

    Responder
  • MILENA VASCONCELOS
    08/10/2020 02:19

    Neste momento é necessário ainda permanecermos afastados. As aulas presenciais são aguardadas com ansiedade. Mas infelizmente ainda não é o momento para retornarmos. Espero sinceramente que por este meio trágico nossos governantes, pensem um pouco na população, tentando se adequar o mínimo possível aos modelos de países citado no texto.

    Responder
  • MILENA VASCONCELOS
    08/10/2020 02:22

    Neste momento é necessário ainda permanecermos afastados. As aulas presenciais são aguardadas com ansiedade. Mas infelizmente ainda não é o momento para retornarmos. Espero sinceramente que por este meio trágico nossos governantes, pensem um pouco na população, tentando se adequar o mínimo possível aos modelos de países citado no texto. No momento tenho certeza que nós educadores estamos trabalhando muito para os alunos não perderem a qualidade do ensino. Agora é só aguardar.

    Responder
  • Alan Cotrim
    15/10/2020 13:24

    Informações pertinentes X realidades diferentes. NÃO ao retorno presencial em 2020.

    Responder
  • PATRICIA TELES GONÇALVES
    22/10/2020 21:16

    PARA UM RETORNO AS AULAS TERIA QUE TER MAIS INVESTIMENTO NA ESTRUTURA DOS PRÉDIOS DA PREFEITURA TEM MUITAS JANELAS QUE NÃO ABRE, NÃO TEM MATERIAL DE LIMPEZA NEM PRA FAZER A HIGIENE APROPRIADA DOS LOCAIS MUITAS VEZES FALTA ATÉ SACO DE LIXO, NÃO TEM MANUTENÇÃO DOS BANHEIROS , TORNEIRAS QUEBRADAS , USO DE MÁSCARA É OUTRO ASSUNTO IMPORTANTE, QUE MUITOS NÃO TEM OUTROS NÃO UTILIZA NEM PROXIMO DOS PRÓPRIOS RESPONSAVEIS PELAS CRIANÇAS OU SEJA, JA TEMOS A NOÇÃO O QUANTO É COMPLICADO VOLTAR POR MUITOS FATORES.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu