Falta professor no novo Ensino Médio

Gestão Escolar

Falta professor no novo Ensino Médio.

Apesar dos louváveis esforços da reforma para tornar a educação mais significativa para jovens e adultos, o Novo Ensino Médio chegou às escolas sofrendo de um velho problema na educação pública: a falta de professores.

De acordo com um estudo liderado pela Rede Escola Pública e Universidade, a Repu, o problema maior está sendo verificado justamente nos chamados Itinerários Formativos, o grande diferencial do Novo Ensino Médio.

Do total de aulas que deveriam ser ofertadas nessa modalidade, onde o aluno escolhe o percurso que quer trilhar e o que pretende aprender, 22,1% continuavam sem um professor atribuído ao final do primeiro bimestre.

Os dados se referem à Rede Pública Estadual de São Paulo. Ao jornal Folha de S. Paulo, a Secretaria de Educação afirmou que, em maio, esse percentual foi reduzido para 17%.

Ainda assim, seria o equivalente a quase um dia a menos de aula por semana.

Compensação

A falta de professores foi constatada nas aulas dos itinerários formativos do 2º ano do Ensino Médio. De acordo com o cronograma de implementação da reforma, esse itinerário só começará a ser oferecido no 3º ano em 2023.

A ausência de docentes estaria sendo compensada com a oferta de conteúdo gravado do Centro de Mídias. Os alunos não estão ficando fora das escolas, de acordo com a Secretaria de Educação. O conteúdo gravado é transmitido em sala de aula e as turmas acompanham com a presença de um educador da escola.

Ensino integral

Além da novidade dos itinerários formativos, a falta de professores se deve, igualmente, ao esforço do governo estadual paulista para ampliar o Programa Ensino Integral.

Segundo a Secretaria de Educação, desde 2019 o número de escolas que oferecem tempo integral aos alunos subiu de 364 para 2.050.

Tanto o PEI quanto a reforma do Ensino Médio ampliam a carga horária letiva. Isso teria gerado escassez de educadores. A Secretaria informou ter aberto contratação temporária de educadores e que pretende zerar esse déficit em breve.

Desigualdade

O estudo da Repu trouxe ainda outro dado preocupante: a possibilidade de escolha de cursos pelos alunos na rede estadual paulista é restrita e desigual.

Alunos com melhor nível socioeconômico estariam tendo mais opções do que aqueles em situação de maior vulnerabilidade.

Para balizar o processo de escolha, a Secretaria da Educação promoveu enquete virtual em 2021. Os alunos do então 1º ano do Ensino Médio podiam escolher 6 entre 35 opções disponíveis.

As opções colocadas estavam divididas da seguinte forma:

  • 4 eram de cada uma das áreas de conhecimento;
  • 6 pertenciam às chamadas áreas integradas;
  • 4 estavam em áreas combinadas a cursos profissionais de curta duração; e
  • 21 eram cursos profissionalizantes mais longos.

Na prática, porém, número amplo de opções não se concretizou.

O estudo usou dados do próprio Estado para mostrar que 37% das escolas estaduais paulistas oferecem em 2022 só dois itinerários, o mínimo exigido por lei.

Entre essas escolas, mais de 70% se limitam a disponibilizar um itinerário em linguagem e ciências humanas e outro em matemática e ciências da natureza.

As demais possibilidades não foram implementadas.

Em 37 unidades escolares estaduais, nem o limite mínimo legal foi atingido e apenas um itinerário formativo é oferecido. Dessas escolas, 26 são unidades localizadas dentro da Fundação Casa, que abriga menores infratores.

A Secretaria de Educação afirma que, em geral, essas unidades têm turmas pequenas e quando todos os alunos optam por um mesmo itinerário, apenas esse é implementado.

Nível socioeconômico

Apenas 2,7% das escolas oferecem mais de 6 itinerários formativos.

Ao cruzar os dados de oferta com o perfil socioeconômico dos alunos declarado no Saresp, os pesquisadores constataram que unidades onde as famílias dos alunos têm maior escolarização e melhor nível de renda tendem a ter mais opções de itinerários formativos.

Nas escolas com seis itinerários formativos, por exemplo, 46,6% dos estudantes têm renda familiar de mais de dois salários mínimos. Nas escolas com apenas 2 itinerários, esse percentual é de 37,4%.

A Secretaria de Educação disse estar analisando esse dado para entendê-lo melhor, mas atribui a menor oferta de itinerários formativos ao tamanho reduzido das turmas. Ou seja, escolas com menos alunos tendem a ter poucos itinerários porque os jovens optam pelos mesmos percursos.

Autores

O estudo da Repu, divulgado no início de junho de 2022, é assinado por três pesquisadores: Ana Paula Corti, do Instituto Federal de São Paulo, Débora Goulart, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), e Fernando Cássio, da UFABC (Universidade Federal do ABC).

Gostou do nosso post? Então, aproveite para seguir nossas redes sociais para ficar por dentro de todos os projetos da Mind Lab. Estamos no Facebook e no Insta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu